Boina Preta sim e com muito orgulho... - 4° Batalhão de Infantaria e Blindados é composto pelas CIAs: 1°, 2°, 3°, Comando, Serviço e Banda, somos todos sim FUZILEIROS, INFANTES e Combatemos com Blindados, sim Senhor... E munido de Boina Preta... Saibam que os Melhores são apenas bons para a INFANTARIA - A Boina Preta não se ganha, conquista-se com sangue e suor... - Uma vez em Estado de Guerra, para o Boina Preta, inimigo na mira, vencido ou capturado, é inimigo morto! Não carregamos bagagens extras, muito menos prisioneiros... Isso é um pouco dos Infantes Boinas Pretas, Filhos do 4° Batalhão de Infantaria e Blindados... Encare o Cão, mas não encare o Infante, pois o Cão perdoa, o Infante NÃO!!! - No dicionário do Infante Blindado a palavra PIEDADE foi apagada DO DICIONÁRIO... - INFANTARIA... BRASIL!!! Boina Preta até a MORTE. Enquanto houver um Soldado do 4° BIB vivo, perdurará a Honra, a Fibra, a Raça e a Astúcia do Boina Preta que um dia se trajou de Verde para Defender as Cores, o Território e o Povo da Nação Brasileira... Com sua VIDA se preciso fosse!!! Isso é Infantaria... Isso é Exercito... Essa é a realidade que paira na mente do Boina Preta em seu dia a dia... CUIDADO...

15 de setembro de 2013

General de Exército Ernesto Geisel - Presidente do Brasil, no período de 15 de março de 1974 à 15 de março de 1979 - Militarismos vai voltar para colocar ordem nessa baderna chamado Brasil - Conheça o Presidente Geisel



Governo de Ernesto Geisel

Por Antonio Gasparetto Junior


O Governo de Ernesto Geisel foi o quarto dentro do Regime Militar  brasileiro.
Nascido em Bento Gonçalves no dia 3 de agosto de 1907, Ernesto Beckmann Geisel  era filho de imigrantes alemães. Sua formação educacional ocorreu no Colégio Militar de Porto Alegre e, mais tarde, tornou-se oficial formado pela Escola Militar de Realengo. Foi militar brasileiro por toda sua vida até ingressar na carreira política em 1964, quando o presidente Castelo Branco o nomeou Chefe da Casa Militar de seu governo. Em 1967, chegou ao cargo de Ministro do Superior Tribunal Militar. Até que, em 1974, foi eleito Presidente da República com 80% dos votos em uma chapa que contava com o vice Adalberto Pereira dos Santos. Cabe ressaltar que naquele momento da história do Brasil as eleições eram indiretas, Ernesto Geisel era o representante da ARENA e seu adversário nas urnas era o representante do MDB. Não era o povo que escolhia o presidente, e sim o colégio eleitoral. Por isso, o número total de votos foi de apenas 476.

Ernesto Geisel assumiu a presidência no dia 15 de março de 1974, sucedendo Garrastazu Médici. O Brasil vinha do período mais aguda da Ditadura Militar, pois em 1968 havia sido publicado o Ato Institucional número 5 que suspendia direitos políticos, institucionalizava a censura e dava amplos poderes ao governo militar. Foi entre os anos de 1968 e 1973 também que o Brasil viveu o chamado Milagre Econômico, período no qual o país cresceu economicamente em níveis altos. O fim desta fase já fazia florescer o questionamento da população. Sendo assim, o Governo de Ernesto Geisel ficou caracterizado pela abertura política que promoveria certa amenização do rigor vigente na Ditadura Militar.

O militar gaúcho Ernesto Geisel era da linha mais branda do exército. Integrou, inclusive, o grupo que se opôs à candidatura de Costa e Silva à Presidência da República. Costa e Silva foi um grande representante da chamada Linha Dura do exército brasileiro, ala que acreditava que os militares deveriam ficar por tempo indefinido no poder e usar da força para estabelecer a ordem, foi ele quem decretou o AI-5. Logo, quando Ernesto Geisel assumiu o poder, recebeu muitas críticas da Linha Dura. Em desacordo com os mais extremistas, Geisel foi o responsável por extinguir o AI-5 e preparar o terreno para o retorno dos exilados, o que aconteceria no governo de seu sucessor. Embora tenha caminhado muito lentamente, foi o responsável pelo processo de redemocratização do país “lento, gradual e seguro”, como ele mesmo dizia. Entretanto, foi sob seu governo que houve o famoso caso de Vladimir Herzog.

Economicamente, Geisel criou o II Plano Nacional de Desenvolvimento para manter a economia aquecida pós-Milagre Econômico. Mas sua política aumentou a dívida externa e a hiperinflação ajudou a intensificar os problemas monetários, deixando um estado de recessão para seu sucessor. Foi um desenvolvimentista, responsável por inaugurar as primeiras linhas de metrô em São Paulo e no Rio de Janeiro e por buscar novas fontes de energia, como o álcool. Foi Geisel também que construiu grande parte da Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Em sua política externa, o Governo de Ernesto Geisel evitou o alinhamento incondicional aos Estados Unidos. Reconheceu regimes socialistas no mundo e reatou relações diplomáticas com a China, o que fez aumentar as críticas da Linha Dura. Geisel deixou a presidência no dia 15 de março de 1979 e foi sucedido por João Figueiredo. Continuou influente no exército e apoiou Tancredo Neves nas eleições de 1985. Faleceu em 12 de setembro de 1996, vítima de câncer.


Fonte:
ARAÚJO, Maria Celina de & CASTRO, Celso (Orgs.). Ernesto Geisel. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.


4 comentários:

  1. saudade de homens liderando o governo com H Maiusculo e não o que temos hj corruptos, mentirosos sem autoridade e Moral

    ResponderExcluir
  2. MEU QUARTEL. AMOR FEBRIL PELO BRASIL.
    INFANTARIA TREME TERRA.
    BRASIL ACIMA DE TUDO, ABAIXO SOMENTE DE DEUS.

    ResponderExcluir
  3. ÉPOCA ÁUREA. DE HERÓIS. DE HOMENS DE CORAGEM. BRASIL. SELVA !!!

    ResponderExcluir
  4. General de Exército Ernesto Geisel.
    Dedicado, competente, justo, patriota.
    Saudades desse Presidente!

    ResponderExcluir