Boina Preta sim e com muito orgulho... - 4° Batalhão de Infantaria e Blindados é composto pelas CIAs: 1°, 2°, 3°, Comando, Serviço e Banda, somos todos sim FUZILEIROS, INFANTES e Combatemos com Blindados, sim Senhor... E munido de Boina Preta... Saibam que os Melhores são apenas bons para a INFANTARIA - A Boina Preta não se ganha, conquista-se com sangue e suor... - Uma vez em Estado de Guerra, para o Boina Preta, inimigo na mira, vencido ou capturado, é inimigo morto! Não carregamos bagagens extras, muito menos prisioneiros... Isso é um pouco dos Infantes Boinas Pretas, Filhos do 4° Batalhão de Infantaria e Blindados... Encare o Cão, mas não encare o Infante, pois o Cão perdoa, o Infante NÃO!!! - No dicionário do Infante Blindado a palavra PIEDADE foi apagada DO DICIONÁRIO... - INFANTARIA... BRASIL!!! Boina Preta até a MORTE. Enquanto houver um Soldado do 4° BIB vivo, perdurará a Honra, a Fibra, a Raça e a Astúcia do Boina Preta que um dia se trajou de Verde para Defender as Cores, o Território e o Povo da Nação Brasileira... Com sua VIDA se preciso fosse!!! Isso é Infantaria... Isso é Exercito... Essa é a realidade que paira na mente do Boina Preta em seu dia a dia... CUIDADO...

18 de setembro de 2013

Oração do Infante - Infantaria, Brasil...


Ralo no campo - Exército Brasileiro


Isso é Exército Brasileiro


Como acordar um bisonho em sala de aula


Conscras malditos, quantas saudades... - Conscritos - Quem não tem dúvida, tem dívida, quem tem dívida, PAGA!.....10 ZERO?


Cametá-PA - Corridinha Mixuruca que não dá nem pra cansar, eu aqui nesse passinho, volta ao mundo quero dar - Esse Sargento é O DEMO reencarnado


Infantaria - O que é Infantaria - A Infantaria pode ser empregada na garantia da lei e da ordem

A Infantaria compreende o conjunto das tropas de um exército particularmente apto para realizar o combate a pé, ainda que utilizando-se de meios de transportes terrestre, aéreos ou aquáticos, para o seu deslocamento. É, por excelência, a arma do combate aproximado, apta a operar em qualquer tipo de terreno e sob quaisquer condições de tempo e visibilidade.

      Na ofensiva, sua missão é cerrar sob o inimigo para destruí-lo ou capturá-lo, utilizando-se , para isto, do fogo, do movimento e combate aproximado. Na defensiva, sua missão é manter o terreno, impedindo, resistindo ou repelindo o ataque inimigo, por meio do fogo e do combate aproximado, expulsando-o ou destruindo-o pelo contra-ataque.


      Na defesa integrada participa, com as demais forças legais, na execução das ações preventivas, repressivas e operativas. Devido às suas características, torna-se instrumento decisivo, quando empregada na garantia da lei e da ordem .


15 de setembro de 2013

Militarismo voltará ao Brasil, assim disse o General de Exército Ernesto Geisel

 







General de Exército Ernesto Geisel - Presidente do Brasil, no período de 15 de março de 1974 à 15 de março de 1979 - Militarismos vai voltar para colocar ordem nessa baderna chamado Brasil - Conheça o Presidente Geisel



Governo de Ernesto Geisel

Por Antonio Gasparetto Junior


O Governo de Ernesto Geisel foi o quarto dentro do Regime Militar  brasileiro.
Nascido em Bento Gonçalves no dia 3 de agosto de 1907, Ernesto Beckmann Geisel  era filho de imigrantes alemães. Sua formação educacional ocorreu no Colégio Militar de Porto Alegre e, mais tarde, tornou-se oficial formado pela Escola Militar de Realengo. Foi militar brasileiro por toda sua vida até ingressar na carreira política em 1964, quando o presidente Castelo Branco o nomeou Chefe da Casa Militar de seu governo. Em 1967, chegou ao cargo de Ministro do Superior Tribunal Militar. Até que, em 1974, foi eleito Presidente da República com 80% dos votos em uma chapa que contava com o vice Adalberto Pereira dos Santos. Cabe ressaltar que naquele momento da história do Brasil as eleições eram indiretas, Ernesto Geisel era o representante da ARENA e seu adversário nas urnas era o representante do MDB. Não era o povo que escolhia o presidente, e sim o colégio eleitoral. Por isso, o número total de votos foi de apenas 476.

Ernesto Geisel assumiu a presidência no dia 15 de março de 1974, sucedendo Garrastazu Médici. O Brasil vinha do período mais aguda da Ditadura Militar, pois em 1968 havia sido publicado o Ato Institucional número 5 que suspendia direitos políticos, institucionalizava a censura e dava amplos poderes ao governo militar. Foi entre os anos de 1968 e 1973 também que o Brasil viveu o chamado Milagre Econômico, período no qual o país cresceu economicamente em níveis altos. O fim desta fase já fazia florescer o questionamento da população. Sendo assim, o Governo de Ernesto Geisel ficou caracterizado pela abertura política que promoveria certa amenização do rigor vigente na Ditadura Militar.

O militar gaúcho Ernesto Geisel era da linha mais branda do exército. Integrou, inclusive, o grupo que se opôs à candidatura de Costa e Silva à Presidência da República. Costa e Silva foi um grande representante da chamada Linha Dura do exército brasileiro, ala que acreditava que os militares deveriam ficar por tempo indefinido no poder e usar da força para estabelecer a ordem, foi ele quem decretou o AI-5. Logo, quando Ernesto Geisel assumiu o poder, recebeu muitas críticas da Linha Dura. Em desacordo com os mais extremistas, Geisel foi o responsável por extinguir o AI-5 e preparar o terreno para o retorno dos exilados, o que aconteceria no governo de seu sucessor. Embora tenha caminhado muito lentamente, foi o responsável pelo processo de redemocratização do país “lento, gradual e seguro”, como ele mesmo dizia. Entretanto, foi sob seu governo que houve o famoso caso de Vladimir Herzog.

Economicamente, Geisel criou o II Plano Nacional de Desenvolvimento para manter a economia aquecida pós-Milagre Econômico. Mas sua política aumentou a dívida externa e a hiperinflação ajudou a intensificar os problemas monetários, deixando um estado de recessão para seu sucessor. Foi um desenvolvimentista, responsável por inaugurar as primeiras linhas de metrô em São Paulo e no Rio de Janeiro e por buscar novas fontes de energia, como o álcool. Foi Geisel também que construiu grande parte da Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Em sua política externa, o Governo de Ernesto Geisel evitou o alinhamento incondicional aos Estados Unidos. Reconheceu regimes socialistas no mundo e reatou relações diplomáticas com a China, o que fez aumentar as críticas da Linha Dura. Geisel deixou a presidência no dia 15 de março de 1979 e foi sucedido por João Figueiredo. Continuou influente no exército e apoiou Tancredo Neves nas eleições de 1985. Faleceu em 12 de setembro de 1996, vítima de câncer.


Fonte:
ARAÚJO, Maria Celina de & CASTRO, Celso (Orgs.). Ernesto Geisel. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1997.


8 de setembro de 2013

Substituição da bandeira nacional marca início das comemorações da Semana da Pátria de 2013




Desfile de 7 de setembro de 2013 no Rio Grande do Sul - Brasil - Manifestações entre os desfiles de Cívico - Mascarados cuidado com as atitudes e onde pisam, a hipocrisia chegou a tal nível que já nem sabem o significado do Civismo, e em verdade deveriam voltar para o nível primário para reaprender ou ter reciclagem sobre o que é Educação / Patriotismo / Civilidade

Exército - Em resposta à convocação em redes sociais de manifestações durante o desfile cívico no Centro do Rio neste sábado, 7, feriado do Dia da Independência, o Exército divulgou nota dizendo que pode usar a força para impedir ataques à tropa ou danos aos equipamentos militares. A nota do Comando Militar do Leste (CML) diz que "as Forças Armadas estão aptas a realizar, com amparo legal, ações de autodefesa da integridade física da tropa de desfile e do patrimônio da União".


Um vez um elemento mascarado, não possui identidade, ficando fácil detê-lo e tirá-lo de circulação, pois você deteve um ninguém. E ninguém vai saber quem foi detido ou melhor desaparecido...





Brinquem com o Exército...